você está num relacionamento abusivo ?

Quando estamos num relacionamento abusivo, muitas vezes pode ser difícil ter uma visão completa da relação. Nem sempre conseguimos nos distanciar o suficiente para ver o panorama completo. Seja um namoro, casamento, ou qualquer tipo de relacionamento, algumas pessoas passam do limite.

Casos de relacionamentos abusivos são mais comuns do que pensamos

Como saber se você está em um relacionamento abusivo?

A pessoa te monitora constantemente?

Muitas vezes, por duvidar da sua palavra ou ter ciúmes, o parceiro ou parceira que tem comportamento abusivo pode te monitorar em diferentes escalas. Desde checar mensagens em redes sociais ou aplicativos como o Whatsapp, ou ficar reparando em quem comenta suas fotos numa rede mais pública como, por exemplo, o Facebook.

Ciúme excessivo é sinal de um relacionamento desregulado.

Outra característica de relacionamento abusivo é ficar falando com o parceiro mesmo quando está longe. Por exemplo, você vai a uma festa e seu namorado fica mandando mensagens constantes para durante toda a festa, sem deixar que interaja com as pessoas efetivamente presentes.

Veja bem: é diferente sentir saudade e fiscalizar! Quando se sente saudade, é normal mandar uma mensagem, falar com o parceiro, saber como está indo seu período que está longe. Já fiscalizar é privar o parceiro de liberdade individual. A diferença mora na intensidade.

Todo relacionamento é baseado em confiança mútua, companheirismo e amizade entre as partes.

Seu parceiro ou parceira tenta te diminuir?

Há duas formas principais para o seu parceiro (a) te diminuir:

Constrangimento público: Se o seu companheiro ou companheira zomba de você na frente dos outros, faz piadas que te deixam desconfortável ou tenta resolver questões pessoais em público, você pode estar em um relacionamento abusivo.

Diminuir sua autoestima: A pessoa te faz sentir que você não é capaz de tomar decisões. A pessoa te faz pensar que não é nada sem ele ou ela, te dá impressão que o relacionamento é a única saída para resolução de problemas.

Seu parceiro se importa apenas consigo mesmo?

Quando você fala de seus problemas, a pessoa acaba levando o foco da conversa de volta para ela?

Se a pessoa que está com você não te escuta, não te ajuda, não te sugere melhorias, como isso pode ser bom para você? Se a carga psicológica dos dois está inteira sobre os ombros de um só, como isso pode ser bom para a relação?

Seu parceiro não entende seus sentimentos ou faz joguinhos emocionais?

O indivíduo diminui seus feitos? Quando você conta sobre algo bom que aconteceu com você, seu parceiro ou parceira fica dizendo que “nem é tudo isso”? Fica botando defeitos em uma situação que estava perfeita para você?

Justifica comportamento abusivo com uso de drogas?

A pessoa diz que estava bêbado(a), ou sob influência de outras drogas e justifica o comportamento abusivo com isso?

Jamais tolere essa situação, pois se a pessoa tem um vício que atrapalha a vida dela, deve buscar ajuda profissional. Além disso, depois da idade legal para consumo, o que cada pessoa faz sob influência de drogas é responsabilidade somente dela.

O que fazer quando está num relacionamento abusivo?

Se você se identificou com os sinais, procure ajuda! Seja de amigos, seja de um profissional. E se você se sente preso ou presa, não se desespere. Se você chegou ao ponto de se afastar de quem você ama, volte. Abra seu coração, explique sua situação e peça ajuda.

Há diversas saídas para aqueles que estão em um relacionamento abusivo.

Uma delas é através do fortalecimento da inteligência emocional. Lembre-se sempre que ter inteligência emocional pode ajudar a lidar com o término, bem como sair de relações abusivas e cuidar para nunca mais entrar.

Além disso, trabalhe o máximo que puder na sua autoestima. Pense nas suas qualidades, no que te faz especial. Conhece-te a ti mesmo!

Nunca se esqueça: você merece ser feliz! Acima de tudo, nunca desista. Sua felicidade está em suas mãos. 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *